Harmonização facial: o que é, como é feito, para quem é indicado

harmonização facial
Para entender melhor o procedimento, conversamos com  farmacêutica esteta Camila Lotti

No que diz respeito à intervenções na estética do rosto, a harmonização facial ganhou o coração de muitos. Você já se perguntou o porquê? Sabe-se que beleza é algo relativo, isto é, o que é belo para um, pode não ser para o outro. Entretanto, existem alguns fatores que podem ressaltar o que há de mais belo em cada tipo de face, trazendo mais equilíbrio. A harmonização facial é um desses fatores. Além disso, sua execução não necessita de cortes, o que contribuiu (e muito!) para conquistar tantos famosos e, claro, anônimos ao redor do mundo.

Afinal, quem não deseja ter sua beleza realçada sem precisar “entrar na faca”, não é mesmo? Bom, que a harmonização facial está na boca do povo, não é novidade, contudo, são inúmeras as dúvidas acerca do tratamento. A fim de sanar algumas delas, conversamos com a farmacêutica esteta Camila Lotti. Confira!

O que é a harmonização facial

Não pense que o procedimento é novo, viu? Por mais que ele tenha se popularizado recentemente, ele não é novidade. “O termo acabou se tornando um modismo, entretanto, a harmonização já é feita há muito tempo”, revela Camila. “O nome já nos diz muito a respeito do que se trata. Sendo assim, nada mais é que harmonizar uma face, devolver para ela um volume que foi perdido ao longo dos anos, ou deixar essa face mais simétrica. É tratar o rosto como um todo”, completa.

Como é feita

Acredito que muitos achem que se trata de um único processo, não é mesmo? Se você, assim como eu, pensava dessa forma, preciso dizer que estávamos errados. “Muitos associam a harmonização facial com o uso, exclusivo, de ácido hialurônico. Isso porque muitas vezes é o que mostram as redes sociais. É um cuidado com o rosto como um todo, traçamos um protocolo exclusivo para cada paciente. Uma pessoa que se expôs muito ao sol, por exemplo, apresentará um envelhecimento cutâneo, desse modo, não basta só preencher, é necessário tratar a epiderme, a superfície da pele. Para isso utilizamos vários tratamentos, como com peeling, laser, microagulhamento”, conta a farmacêutica esteta. Dessa maneira, a harmonização facial consiste em uma gama de procedimentos, todos pensados para melhor atingir determinado objetivo.

A profissional aponta, ainda, que cada tipo de face deve ser respeitada. “A harmonização deve ser realizada de acordo com cada tipo de rosto, não deve-se buscar uma padronização, ou seja, deixar o rosto de todo mundo igual. Eu mesma gosto de individualizar o tratamento e realçar a beleza exclusiva de cada um”.

Alguns dos procedimentos mais usados na harmonização facial:

  • Aplicação de ácido hialurônico;
  • Aplicação de toxina botulínica;
  • Lasers;
  • Radiofrequência;
  • Bioestimulação de colágeno;
  • Peeling;
  • MMP Facial – Microinfusão de Medicamentos na Pele.

Para quem é indicado

A harmonização é um procedimento bem democrático, independe de gênero. Deseja corrigir alguma simetria; dar volume à alguma área da face, como a região das bochechas; definir o contorno facial? Se jogue no tratamento! Contudo, vale salientar que o procedimento é recomendado para pessoas com mais de 18 anos. “ É interessante fazer a partir do momento que a estrutura facial estiver bem formada, ou seja, acima de 18 anos”, reforça.

Contraindicações

Camila frisa a importância de fazer uma avaliação completa com cada paciente. “Pacientes com doenças autoimune, alguma alergia às substâncias utilizadas no procedimento, lactantes, gestantes. Isso posto, é extremamente importante fazer uma boa anamnese para saber se a pessoa está apta ou não a realização do procedimento, mas a grande maioria pode fazer”.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.