Chá de alecrim age como antibiótico natural

  • por em 22 de novembro de 2020
chá de alecrim

O alecrim, além de ser versátil e extremamente acessível, é cheio de vantagens para a nossa saúde. Desse modo, utiliza-se a erva para tratar inúmeros problemas de saúde, desde os mais simples como as gripes e resfriados, até os mais complexos. Pois o alecrim tem propriedades curativas. Vale lembrar que essa erva aromática desembarcou em terras brasileiras na época da colonização. No entanto, devido aos seus pontos positivos, podemos encontrá-la até hoje. Isso posto, a forma mais popular de consumir o ingrediente é através do chá. A bebida, além de muito cheirosa, possui um sabor muito agradável. Além disso, são muitos os benefícios do chá de alecrim.

Propriedades do alecrim

O alecrim é rico em antioxidantes, como o carnosol e o ácido carnósico. A erva possui, também, funções relaxantes, antioxidantes e anti-inflamatórias. Além disso, o alecrim ajuda a prevenir o envelhecimento precoce.  

Benefícios do chá de alecrim

Faz bem para o coração

Isso porque o chá de alecrim melhora a circulação de sangue no organismo. Por ser antioxidante, atua diretamente nos vasos sanguíneos. Dessa forma, ajuda na diminuição das chances de formarem-se trombos.

Melhora a digestão

A refeição não caiu bem? Experimente tomar uma xícara de chá de alecrim após comer. Pois, como é calmante e anti-inflamatório, evitará a azia e má digestão.

Combate a inflamação 

A ingestão de chá de alecrim é, também, uma ótima forma de aliviar a dor e combater a inflamação, o mal estar e o inchaço.

Combate o cansaço mental

Muitas pesquisas apontam que o alecrim melhora o funcionamento do cérebro. Por isso, é ótimo para os momentos de estresse. 

Age como um antibiótico natural 

Por conta das suas propriedades medicinais, o alecrim atua como antibiótico. Diante disso, é muito eficaz contra as bactérias que causam a diarreia e infecção de urina. Desse forma, o chá de alecrim acelera a recuperação. No entanto, é importante manter os medicamentos receitados pelo médico. 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.